Audiência pública apresenta pesquisa da SAAEC sobre precificação da água e opinião pública

  • 23/05/2018

Na manhã da última terça-feira, 22, no auditório do Geopark Araripe, a Sociedade de Água e Esgoto do Crato (SAAEC) realizou uma audiência pública para apresentar os resultados da pesquisa “Precificação da Água e disponibilidade a pagar pela água e Opinião Pública”, realizada pela Universidade Regional do Cariri (URCA), através de parceria com a Fundetec.

Na oportunidade, o vice-prefeito e Secretário de Saúde, André Barreto, no ato representando o prefeito Zé Ailton Brasil, parabenizou a iniciativa afirmando que a mesma está no caminho certo para se consolidar como uma empresa firme e com vistas para o crescimento. “Estão vindo muitos investimentos na área do saneamento, um dos maiores dele para atender o objetivo da SAAEC, visando diminuir o desperdício e melhorar cada vez o abastecimento. Além disso, temos o desafio de tratar os esgotos. E é preciso que a empresa esteja em condições de gerir todo este sistema”, afirmou.

Participaram também da audiência o corpo técnico da SAAEC; os integrantes do Conselho Municipal de Água e Esgoto; vereadores, pesquisadores e estudantes; imprensa local, além dos professores e coordenadores da pesquisa, Marcos Brito e Marcos Eliano Tavares.

Para o Presidente da SAAEC, Dr. José Yarlei Brito, desde o início de sua gestão, o principal objetivo foi colocar a SAAEC em um patamar mais técnico, através de ações de valorização dos colaboradores, bem como da procura do equilíbrio financeiro da empresa. Para isso, fez-se necessário conhecer projetos internacionais e ainda buscar na inteligência regional as soluções para alcançar tais objetivos. Portanto, a necessidade da pesquisa.

Principais Resultados

A pesquisa “Precificação da Água e disponibilidade a pagar pela água e Opinião Pública” foi realizada a partir da necessidade de estudo qualificado e independente quanto aos efetivos custos de produção; para comparar custo do serviço abastecido e coleta com outros SAAEs, Companhias e Estados; traçar o perfil e capacidade de pagamento dos clientes; e conhecer a opinião da população sobre os serviços prestados.

O estudo, realizado com 514 consumidores, é composto por uma pesquisa de opinião pública; estudo de custos dos principais insumos; estudo do preço da água; estudo da instalação de hidrômetros; possibilidade de financiamentos e pagamentos; pesquisa informacional e presencial com aplicação de questionários e entrevistas; estudo da relação consumo de água e energia elétrica; e estudo da capacidade e disponibilidade de pagamento do cliente por faixa de consumo.

Resultados

· 52% dos entrevistados afirmaram que usam da rede pública de água e esgoto;

· 60% avaliou como bom o serviço de coleta de esgoto;

· 86% afirmaram nunca ter tido problema com o sistema de coleta de esgoto;

· 58% dos que tiveram problemas afirmaram que a solução foi rápida e eficiente;

· 63% utilizam a água da rede pública para beber;

· R$ 34,70 é o gasto médio dos consumidores que afirmaram utilizar água mineral para beber com a compra desta; sendo que a tarifa média da SAAEC fica em torno de R$ 13,00;

· 60% avaliou como boa a qualidade da água oferecida pela SAAEC.

· 55% avalia o valor da tarifa da SAAEC como normal.

· Do total, 85% dos entrevistados aprovaram o serviço oferecido pela SAAEC.

· Em relação a capacidade de pagamento dos consumidores que têm hidrômetros em casa, cerca de 50% tem disponibilidade de pagar a mais pela água e pagariam cerca de 34% a mais.

· Já os consumidores que não têm hidrômetros instalados em casa, cerca de 62% tem disponibilidade de pagar a mais pela água e pagariam cerca de 41,21% a mais.

· A tarifa operada pela SAAEC é bem abaixo das aplicadas em outras SAAEs de municípios semelhantes ao Crato: estas cobram 55% pela tarifa.



Os pesquisadores concluíram que é necessário a recomposição tarifária operada pela SAAEC. “Em termos técnicos, será necessária uma correção de 50%”, afirmou o Prof. Dr. Marcos Brito.

Além disso, há a necessidade de ampliar a instalação dos hidrômetros; de fortalecer a tarifa social, oferecendo a quem é de direito, para que a SAAEC possa cumprir com suas obrigações fiscais, financeiras e melhorar a qualidade do serviço.

Após a explanação dos pesquisadores, a plateia participou com perguntas e contribuições. Agora o estudo será discutido na próxima reunião do Conselho Municipal de Água e Esgoto.

Compartilhar:

Fotos